segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Derrotados em Paço do Lumiar tentam tirar no tapetão o mandato do prefeito Domingos Dutra


O pleno do Tribunal Regional Eleitoral deve julgar nesta terça-feira (27), a Ação de Investigação Judicial Eleitoral em que o MDB, o PRB e a coligação derrotada “Vontade de Todos”, que teve como candidato o ex-presidiário Gilberto Aroso, acusa o prefeito eleito em 2016, Domingos Dutra (PCdoB), de suposto abuso de poder. Outro processo com o mesmo teor, apresentado pelo ex-prefeito Josemar Sobreiro, já foi julgado considerado improcedente.

Este segundo processo que o TRE-MA vai julgar na terça-feira chama atenção pelos atores envolvidos na trama para tentar cassar no tapetão o mandato de Dutra. Desta vez os deputados Cleber Verde, Josimar de Maranhão e Edilázio Júnior fizeram uma espécie de aliança macabra para tentar cassar o prefeito. Atua neste caso o advogado Fred Campos, irmão do ex-vereador ficha suja Alderico Campos, representantes do sarneysismo no município.

Segundo comentam nos bastidores da política local, estão querendo usar Domingos Dutra para chegar até o governador com a ajuda de dois supostos aliados do Palácio dos Leões, pois os argumentos usados pela acusação são os mesmos usados pela juíza de Coroatá que tentou tumultuar o processo sucessório estadual ao declarar inelegíveis Flávio Dino e Márcio Jerry: o Programa Mais Asfalto desenvolvido em Paço do Lumiar pelo Governo do Estado.

O advogado da causa contra o prefeito é o “corajoso” Fred Campos, aliado incondicional do deputado federal eleito Edilázio Junior (PV), genro de Nelma Sarney e defensor da oligarquia. A trinca se uniu ao obscuro deputado federal eleito Josemar de Maranhãozinho (PRB) e Cleber Verde (PRB) para tentar influenciar na decisão dos juízes do TRE-MA.

Os autores da ação afirmam que durante a campanha o candidato Dutra cometeu conduta vedada ao veicular abusivamente que teria conseguido asfaltamento para várias ruas de Paço do Lumiar, realizar cadastro e distribuição de títulos de propriedade e vistoriar escolas em companhia de secretários, entre outros argumentos considerados inconsistentes e já rejeitados no processo apresentado pelo ex-prefeito Josemar Sobreiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário