segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Paço do Lumiar: Clima de emoção marca renomeação de escola em homenagem a Alana Ludmila

Num clima de muita emoção foi realizada no final da tarde desta sexta-feira, 1° de dezembro, a solenidade de renomeação da escola UEB Marly Sarney para UEB Alana Ludmila, no Maiobão. A homenagem foi uma iniciativa da Prefeitura de Paço do Lumiar, com a permissão da família da menina Alana Ludmila Borges Pereira, 10 anos, assassinada há exatamente um mês pelo padrasto, no Maiobão.

Além da assinatura do documento oficializando a troca do nome, a fachada da escola também já foi pintada com a nova denominação. Presentes à solenidade a mãe de Alana, Jaciane Borges; o pai Clayton dos Santos; a vice-prefeita Maria Paula Azevedo; a diretora da escola Sagrada Família, onde Alana estudava, Célia Maria; o gestor-geral da UEB Alana Ludmila, Genival Bezerra; a vereadora Ana Lúcia; a pastora Conceição Rodrigues; o avô Jucelino Pereira, estudantes da escola, moradores do Maiobão, parentes e amigos da família.

TEMPO INTEGRAL

Durante a solenidade, o prefeito de Paço do Lumiar, Domingos Dutra, e o secretário municipal de Educação, Fábio Rondon, anunciaram que a UEB Alana Ludmila passará por obras de recuperação, será climatizada, e se tornará escola de tempo integral a partir de 2018.

Também foi anunciado pelo prefeito que será produzido um livro com a história dos 10 anos de vida da menina, o qual será distribuído às escolas do município para que todos os alunos saibam quem foi Alana. “É com grande emoção que prestamos esta homenagem. É uma forma de garantir que ela não será esquecida”, afirmou o prefeito Dutra.

Durante a assinatura do ato de renomeação da escola, amigas de Alana prestaram homenagem à amiguinha cantando as músicas “Era uma vez” e “Aleluia”, e emocionaram os presentes. A pastora Conceição Rodrigues fez uma rápida pregação e orou com os presentes.

Para a moradora do Maiobão e amiga da família de Alana Ludmila, Kássia Taís, a homenagem foi justa porque é uma forma de sempre lembrar com carinho da menina. “Uma escola é um local onde as crianças vêm aprender, vem estudar para realizar seus sonhos. A Alana não pode mais fazer isto, mas vai servir de inspiração para as crianças que estudam aqui. E também é uma forma dela ser sempre lembrada pelos moradores do Maiobão”, afirmou a amiga da família.

O avô de Alana, Jucelino Pereira, também compareceu à escola e disse que estava triste e feliz ao mesmo tempo. Triste porque nesta sexta completava um mês da morte da neta, mas feliz pela homenagem que a menina recebeu, que será uma forma de Alana nunca ser esquecida. “Não tem um dia que eu não lembre da minha neta desde que ela morreu. Sinto muita saudade dela. Mas sei que ela está com Deus e isso me conforta”, afirmou o avô emocionado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário